Apesar de saber que a biografia dos Barbixas é sempre uma incógnita, vou me ater à informações contidas em um longo bate papo concedido à UOL e entrevistas. Outra entrevista interessante foi concedida ao Vírgula.

Daniel Nascimento teria feito faculdade de Rádio e TV, já sendo amigo de Anderson Bizzocchi e tendo uma inclinação ao humor, se apresentavam em bares. Em uma viagem à Paris, Andy teria conhecido Elídio Sanna. Entre eles havia uma grande afinidade pelo gosto no mesmo estilo de humor e resolveram fazer pesquisas em torno de trabalhos como Umbilical Brothers, Rowan Atkinson (e seu personagem Mr. Bean) e Monty Phyton, entre outros.

A estréia dos Barbixas teria ocorrido em 01/07/2004 no Teatro Jardim São Paulo com o espetáculo Onde Está o Riso?

Em novembro do mesmo ano, se apresentaram com o espetáculo Em Lata. Seria o primeiro espetáculo integralmente de sua própria autoria.

Em junho de 2005, se apresentaram com o espetáculo 3, na qual havia também vídeos. Nesse momento a trupe se tornou a Cia. Barbixas de Humor, em que não só faziam textos de teatro como esquetes de vídeo e áudio, disponíveis no site.

Em 2008, estrelam o espetáculo Em Breves que também é um espetáculo de esquetes de humor. No mesmo ano, estréiam o absoluto sucesso que é o espetáculo de jogos de improvisação, o Improvável.

Em 2009, os Barbixas levam para a TV, o mesmo formato do espetáculo Improvável, no programa Quinta Categoria, junto com Marcos Mion.

Em 2010, aguardamos ansiosos a estréia, logo mais dia 11 de janeiro, do É Tudo Improviso, na Band. O programa de jogos de improvisação teatral é apresentado por Márcio Ballas e conta ainda com Marco Gonçalves  (ambos do Jogando no Quintal) e as Olívias Cris Wersom e Mari Armellini.

Improvisando: Gostaria que vc começasse falando dos trabalhos nos quais  está envolvido hoje.

O que faço atualmente é trabalhar com a Cia. Barbixas do Humor. Este é o meu trabalho principal. É nisso que fico pensando o tempo inteiro.
Recentemente criamos um espetáculo chamado “Improvável” que ficou muito grande. Virou a maior e mais famosa websérie do Brasil e é um dos canais mais vistos do mundo no Youtube. Por essa razão estamos viajando com o espetáculo e apresentando o nosso trabalho em outros estados em sessões esgotadas antes mesmo da gente chegar na cidade.
O Improvável nasceu de uma vontade do Andy de fazer algo parecido com o Whose Line is it Anyway?. Era para ser uma brincadeira! E é até hoje, se você for parar pra pensar…
A websérie das Olívias foi um presente que elas me deram. Eu sou formado em Rádio e TV e gosto muito de dirigir. Comentando isso com elas recebi o convite de dirigir os textos que elas tinham (que eu acho ótimos) e transformar numa websérie.
O Quinta Categoria é o primeiro programa de jogos de improviso da tv brasileira. Foi uma tentativa meio torta de passar o Improvável para a tv.

Improvisando: O que é Improvisação Teatral? Quais são os princípios em que se embasa?

Improvisação no teatro é algo bem comum em outros países no mundo. Da mesma forma que se pode improvisar na música, na pintura (OBS do entrevistador: “A execução na pintura deve sempre ter improvisação.”  – Eugène Delacroix), pode-se improvisar no teatro também.
Como todos sabem, nada acontece no improviso sem escuta, proposta e fruta do conde.
Improvisando: Como surgiu a Improvisação na sua carreira?
Foi completamente do nada. Era para ser só um projeto baseado no Whose Line para a gente apresentar para amigos e familiares. Do nada reparamos que estavamos popularizando o improviso no Brasil e pensamos “Eita… tá na hora de aprender a fazer!”.
Chamamos o mestre no assunto, Marcio Ballas, e ele abriu uma porta para um universo que a gente não sabia que existia! Agora é correr atras!
Improvisando: De que forma aconteceu a transição do trabalho dos Barbixas que faziam esquetes no estilo Monty Phyton para a Improvisação Teatral?

Em fade mesmo. Page peel é meio brega.

Improvisando: Quem são os Improvisadores que te inspiram na realização do seu trabalho?
No Brasil eu tive um leve empurrão do Caruso (Fernando Caruso) (do Zenas Emprovisadas) mesmo sem ele saber.
Mas no começo mesmo, quando ainda não tinha nada disso, a gente gostava mesmo do elenco do Whose Line.
Mais para frente conhecemos o Marcio Ballas, que é o nosso treinador. Ele é, na minha opinião, a pessoa mais importante do mundo da improvisação no Brasil. Ele está na ponta do processo puxando todo mundo. Tem dois espetáculos de improviso: um que influenciou muito a gente (o Jogando no Quintal) e um de long form que é impressionante, o Caleidoscópio.
Os improvisadores do Jogando e do Caleidoscópio são grandes fontes de inspiração pra gente. Assim como os convidados do Improvável.
Recentemente tivemos contato com grupos da América Latina (México, Colômbia, Chile, Argentina, Uruguai) que estão muito na nossa frente em matéria de técnica e dramaturgia.

Improvisando: Quais companhias no mundo você acredita que hoje fazem os trabalhos mais incríveis?

Cada grupo que conheci tem um trunfo. Os Mexicanos mostraram um trabalho baseado em relações com dramaturgia complexa, mostrando a negação como inclinação para uma cena. Os Colombianos são extremamente rápidos e vertiginosos. Conseguem em milésimos de segundo construir personagens incríveis. Os Chilenos são extremamente criativos e leves em cena (se parecem muito com os brasileiros, aliás!). E assim vai e vai….

O que mais impressiona é que todos tem um trabalho incrível em algum aspecto e constantemente fazem pesquisas com o seu estilo. É muito bom saber que quem faz não está parado achando que já sabe tudo. Estão em constante movimento e aprendizado.

Improvisando: O que mais tem te trazido interesse em Improvisação hoje? Jogos de Improvisação ou espetáculos mais long form?

Quero muito mais pra frente montar um long form. Mas gosto muito dos dois estilos. Me divirto sempre.

Improvisando: Quais os princípios da Improvisação que são hoje mais motivo de investimento e pesquisa no mundo?
Como?
Improvisando: Para onde vai a Impro? (O Futuro)

Espero que apareçam vários grupos fazendo vários espetáculos e que ela fique mais e mais popularizada no Brasil e no mundo!
Se os principios básicos de impro estiverem presentes em todos esses grupos, o movimento vai fazer crescer a vontade de consumir bons espetáculos e muitos bons atores vão aparecer por aí.

Apesar da escolha difícil, publico aqui dois vídeos prediletos: o primeiro o Merchan do espetáculo Improvável e o Restaurante de Quinta do programa Quinta Categoria.

Anúncios