Tag Archive: La Mancha


Último dia do Festival Internacional Los Improvisadores, no Teatro Oriente, em Santiago. E  cheio. Com 4 eventos no mesmo dia.

Meio dia, começamos com a Charla (bate papo). O convidado foi Rodrigo Malbrán Contre, diretor e fundador da Escuela Internacional del Gesto y la Imagen LA MANCHA.

Malbrán utilizou o espaço para fazer uma mostra de uma hora e meia, dos diversos estágios que passam os alunos durante os dois anos de formação da sua escola, que tem como base a metodologia de Lecoq. Seus graduandos mostraram cenas de utilização de máscara neutra, clown, commedia dell’ arte e por fim o que ele chama de Os Vinte Movimentos.

O trabalho dos alunos é preciso e rigoroso, a construção de cenas primorosa. O trabalho de Malbrán, que muito influenciou a formação dos improvisadores do Colectivo Teatral Mamut, nessa charla, mais do que didático foi umas das melhores possibilidades de entreterimento desse festival.

Seguiu-se às 16 horas a segunda apresentação do espetáculo Teatruras, do Impromadrid da Espanha.

Ignacio Lopez, Ignacio Soriano, Jorge Rueda e o músico Nacho Mastretta novamente fizeram um espetáculo primoroso na construção de estórias, leve, descontraido, ainda mais agradável com a participação das crianças da plateia. Mais sobre Teatruras no post anterior.

O espetáculo com maior sucesso de público do festival, seguiu-se a noite com Súper Escena, do Colectivo Teatral Mamut.

Com Monica Moya, Nico Belmar e Sergio Panqueque Molina, o Colectivo Teatral Mamut mostra a seu público chileno, um espetáculo de improvisação inspirado no cinema.

São propostas três cenas, em três estilos cinematográficos distintos. Os temas são sugeridos pela plateia. Cada uma dessas cenas se inicia e pára num ponto, na qual somente duas delas são eleitas para terem uma continuação. Depois de mais um pouco de desenvolvimento de cada uma das duas estórias, mais uma delas é eliminada, conhecendo o público somente um dos finais.

Espetáculo muito leve, divertido, bem ambientalizado tanto pela luz como pelo seu músico Francisco “Foco”. Os atores têm uma atuação muito forte pela caracterização de seus personagens e pelo seu carisma com o público. Um espetáculo belíssimo.

Fechou-se o festival com uma enorme festa. Teatro de Gorilas. Cada um dos músicos de suas companhias (Francisco “Foco” Cerda-Mamut, Cristiano Meirelles-Jogando no Quintal, Leonardo Prieto-Complot Escena, Nacho Mastretta-Impromadrid e Sebastian Rodrigues-La Gata Impro) e a banda do Teatro de Gorilas, fizeram a trilha sonora e os efeitos sonoros do espetáculo.

Foram 6 os diretores convidados: Ignacio Soriano (do Impromadrid da Espanha), Rodrigo Bello (do Improcrash da Argentina), Carlos Alberto Urrea Lasprilla (do La Gata Impro da Colômbia), Sergio Panqueque Molina (do Colectivo Teatral Mamut do Chile), Marcio Ballas (do Jogando no Quintal do Brasil) e Frank Totino (do Loose Moose do Canadá).

Os jogadores convidados foram:

– Florian Toperngpong e Nadine Antler da Alemanha.

– Charo Lopes, Luciano Barreda, Luciano Cohen, Marcelo Savignone, Omar Argentino Galván e Pau Farias da Argentina.

– Mateus Bianchim do Brasil.

-Monica Moya e Nico Belmar do Chile.

– Daniel Orrantia, Felipe Ortiz, Juan Gabriel Turbay e Mabel Moreno da Colômbia.

-Jorge Rueda da Espanha.

-José Luis Saldaña, Juan Carlos Medellín e Omar Medina do México.

A oportunidade de ver cenas propostas por aqueles que certamente estavam entre os maiores nomes da improvisação mundial, tornaram esse último espetáculo uma torre de babel de atuações, propostas, divertimento em cena e aprendizagem. Destaco, sem querer absolutamente desmerecer ninguém, o encontro antológico de parte do Sucesos Argentinos (Marcelo Savignone e Omar Argentino) que foi das grandes inspirações da improvisação latino americana com a nova geração de talentosos improvisadores argentinos (Improcrash) em cena nesse espetáculo. Memorável e emocionante.

Ao fim do espetáculo, todas as companhias foram merecidamente chamadas ao palco para serem homenageadas e a noite se seguiu com uma grande festa reunindo público, banda e atores num dos eventos mais fantásticos e audaciosos que a Improvisação mundial já assistiu.

Meus parabéns e muito obrigada a todos os amigos chilenos, a produção (meu especial a Andreia e a Loreto), equipe técnica do teatro, aos queridos amigos Monica, Nico, Panqueque e Francisco “Foco” Cerda do Colectivo Teatral Mamut pela hospitalidade, generosidade e iniciativa tão incrível de reunir as grandes companhias e pensadores da Improvisação Mundial da atualidade.

Meus parabéns  e muitíssimo obrigada também a todos os amigos e mestres Frank Totino, Angélica Rogel, José Luis Saldaña, Juan Carlos Medellín, Leonardo Prieto, Omar Medina, Carlos Alberto Urrea Asprilla, Daniel Orrantia, Felipe Ortiz, Juan Gabriel Turbay, Mabel Moreno, Sebastian Rodrigues, Allan Benatti, Cristiano Meirelles, Ernani Sanchez, Marcio Ballas, Marco Gonçalves, Rhena de Faria, Guilherme Tomé, Mario Escobar Olea, Mateus Bianchim, Charo Lopes, Luciano Barreda, Rodrigo Bello, Luciano Cohen, Marcelo Savignone, Omar Argentino GalvánFlorian Toperngpong, Nadine Antler, Ignacio Lopez, Ignacio Soriano e Jorge Rueda, Nacho Mastretta, Suso33. Vocês tornaram essa semana uma grande festa da improvisação mundial, pelas suas capacidades de viver verdadeiramente os conceitos da improvisação por estarem sempre presentes e afirmarem honesta e generosamente a amizade, aumentando e engrandecendo essa enorme corrente da Impro mundial.

Não devo esquecer dos amigos Adonis Camelato (do Olaria GB) e Rafael Protzner (do UMA Companhia) que compartilharam comigo diversão e aprendizagem.

Vimos atuações surpreendentes e impactantes como X- ha Muerto do Complot Escena e  propostas inovadoras como Corten do Impromadrid, que ao final, destacaram-se nesse festival. Mas nos entusiasmamos com o ritmo jovem, talentoso e coeso do Links do Improcrash. Admiramos a habilidade corporal dos colombianos no TellAraña do La Gata Impro. Nos emocionamos com as atuações solo impressionantes dos genios argentinos Omar Argentino Galván e Marcelo Savignone. Chilenos entusiasmados aplaudiram de pé por quase cinco minutos ao final do espetáculo dos nossos mestres brasileiros do Jogando no Quintal com o Caleidoscópio. Casa quase totalmente cheia de espectadores-fãs que ensurdeceram o Teatro Oriente para ver o espetáculo leve, descontraído e conciso com Colectivo Mamut com o Súper Escena.

Mas por fim, o que se destaca são as possibilidades de intercâmbio de conhecimento, discussões, propostas distintas, novas idéias de concepção, formatos, exercícios, teorias,  que foram pipocando aqui e ali entre uma taça de Sauvignon Blanc, uma cerveja Guayacan, um ceviche, uma salada de palta, um sorvete de lucuman, um poema de Pablo Neruda ou uma simples pausa para curtir o sol brando e o vento fresco. A tão inspiradora cidade de Santiago, se tornou cenário para o desenvolvimento dessas idéias que certamente plantaram a semente que desenvolverá, nesse solo fértil de tantos talentos humildemente ainda ávidos por ainda mais conhecimento e exercício da arte, a revolução proposta por essa grande escola e filosofia de vida que é a Improvisação Teatral.

Que esse post seja, mais que uma mera descrição do que foi esse festival, meus sinceros sentimentos a respeito dos oito dias mais emocionantes e edificantes que vivi desde que decidi me aventurar pelo curioso e instigante mundo da Impro.

Muito obrigada improvisadores de todo o mundo.

Anúncios

Sergio Dominguez Molina, conhecido como Panqueque, nasceu em Santiago, e passou a infância na Comuna de Reina. Logo depois foi para Nuñoa, onde estudou no The Angels School. Seu primeiro contato com os palcos viveu em uma oficina de teatro na escola, aos 8 anos. Cometeu um erro, que não deseja comentar, mas a punição foi a proibição de voltar ao curso, marcando sua saída da disciplina assim que saiu do quarto ano médio.

Desde o primeiro ano médio, depois de aulas, tinha aulas de canto em Projazz, e quando saiu, tentou estudar de forma profissional, mas percebeu que não era algo que gostaria de dedicar-se em tempo integral (Panqueque foi vocalista da banda de metal sinfônico “Six Magics” , o qual abandonou por motivos familiares).
No ano seguinte foi estudar teatro em “La Mancha“, e percebeu que não fazia pontuação suficiente para muitas coisas, e para o teatro sim. Além de que, não precisaria anotar tanto. E seguiu em frente.

Em princípio começou seus estudos na Escola de Teatro La Mancha, onde estudou dois anos e conheceu Nico e Moyita.  Ao sair de lá foram contratados por uma companhia chamada “La Sombra”, liderada por 3 pessoas que dirigiam 11 atores, e que logo se dissolveu.

Panqueque estava sem companhia teatral, e foi chamado por um amigo para uma peça, um jogo de máscaras chamado “El Casting”, na qual teriam somente 3 dias para ensaiar. Pensou que não ia dar certo, já que não tinham nada de concreto, se jogaram e as pessoas adoraram, ficou genial. Então Moyita (sua companheira há 10 anos, com quem tem um filho de dois anos) sugeriu que fizessem isso melhor. Formaram um grupo, ensaiaram essa peça muito bem por duas semanas, que se saiu excelente. Foi então que pensaram em fazer uma companhia de teatro e dedicar-se integralmente a estudar obras com tempo e fazer algo improvisado também.

Desde então foram convidados para vários festivais, e ao invés de estudar obras como qualquer companhia teatral, mergulharam de cabeça na Improvisação. Decidiram chamar Nico e Juanita do “La Sombra” para se juntarem ao grupo e começaram a treinar. Passaram dois anos se preparando, sem professores, fizeram o que sentiam intuitivamente correto. Começaram a entrar em contato com as pessoas que fizeram o mesmo na América Latina, e quando viajaram para festivais, tiveram aulas com todos eles.

Tudo isso serviu para se profissionalizarem e pegarem todas as técnicas em que o mais importante é seguir tendo aulas.

Em 2004, Panqueque estudou cinema, e em seguida, em 2008, para aperfeiçoar-se na Improvisação, foi fazer cursos em Toronto, no Canadá, com o The Second City e, no ano passado, com Keith Johnstone, um dos fundadores da improvisação moderna. No Canadá, encontrou muitas pessoas que estudaram com os melhores improvisadores, com espetáculos diferentes, podendo complementar o que faz e ver o que outros fazem em outros lugares e buscar o próprio caminho da improvisação.

Hoje, o Colectivo Teatral Mamut, tem cerca de 6 espetáculos, alguns feitos por eles e outros feitos por alunos na sala Chucre Manzur.

Desde o dia 4 de janeiro, estrela o programa Los Improvisadores, no Canal Viax Chileno, junto com seus companheiros de Mamut (Moyita, Juanita, Nico) e a atriz María Paz Jorquiera. A apresentação é de Juan José Gurruchaga. (vide post desse blog). O programa é um sucesso de audiência e projetou ainda mais a companhia no Chile.

Nessa entrevista, gentilmente concedida por email, há alguns dias da estréia de seu programa de tv, Panqueque expõe suas opiniões sobre a Improvisação Teatral, com muito bom humor.

Improvisando: ¿Usted puede hacer un breve resumen del trabajo realizado hoy en día?

Improvisando: Você pode fazer um breve resumo do trabalho realizado hoje em dia?

Panqueque: Hoy formo parte del Colectivo Teatral Mamut. Administramos un teatro donde hay impro todo el anio, tenemos una escuela de impro con 3 niveles y recientemente empezamos un grupo de long form.
Investigamos la espontaneidad y la creacion teatral. Nuestros espectaculos mas populares son Efecto Impro, que es un long form, Improviscopio, que es un formato clasico y Teatro de gorilas, que es un formato de improvisacion dirigida, osea con directores en escena.
Tambien jugamos, match, catch y otros formatos con puntos.
Recientemente organizamos el ImproFestin.
Actualmente estamos trabajando para un canal de television con un programa de Impro, en enero seguimos en cartelera y hacemos teatro callejero. Y hoy mismo es la muestra de el taller de long form, termino de escribir esto y tengo que ir al teatro jajjajaja.
Panqueque: Hoje faço parte do Colectivo Teatral Mamut. Administramos um teatro onde há improvisação o ano todo, temos uma escola de impro com três níveis e recentemente começamos um grupo de long form. Investigamos a criatividade e a criação teatral. Nossos espetáculos mais populares são Efecto Impro, que é um long form; Improviscopio que é um formato clássico; e o Teatro de Gorilas, que é um formato de improvisação dirigida, com diretores em cena. Também jogamos Match, Catch e outros formatos de pontos. Recentemente organizamos o Improfestin. Atualmente estamos trabalhando para um canal de televisão, que estará nas telas em janeiro, e faremos teatro de rua. E hoje mesmo é a mostra do Workshop de Long Form, termino de escrever isso e tenho que ir ao teatro. Hahaha.


Improvisando: Qué es la improvisación? ¿Cuáles son los principios en los que estaba fundado?

Improvisando: O que é a Improvisação? Quais são os princípios em que se fundamenta?

Panqueque: Exactamente no se lo que es jajajajja, pero para mi es realizar una accion sin preparacion, con los elementos que se encuentran disponibles en ese momento. La improvisacion teatral es crear una escena o una historia en el momento sin libretos.
Para mi la impro no tiene reglas ni limites, uno puede hacer cualquier cosa, pero creo que la improvisacion moderna se funda en la comunicacion, generosidad y espontaneidad.
Panqueque: Exatamente não sei o que é hahaha, mas para mim é realizar uma ação sem preparação, com os elementos que se encontram disponíveis nesse momento. A improvisação teatral é criar uma cena ou uma estória no momento, sem script. Para mim a impro não tem regras nem limites, pode-se fazer qualquer coisa, mas acredito que a improvisação moderna se fundamenta na comunicação, generosidade e espontaneidade.

Improvisando: ¿Cuando la improvisación comenzó en su carrera?

Improvisando: Quando a Improvisação começou em sua carreira?

Panqueque: La improvisacion ha sido un estilo de vida ya a estas alturas jajajjaja. Ha sido un coninuo apredinsaje de el comportamiento humano, narrativa, espontaneidad etc, que enriquesen la vida no solo en el escenario.
Panqueque: A improvisação tem sido um estilo de vida já, a essas alturas hahahah. Tem sido um uma aprendizagem continua do comportamento humano, narrativa, espontaneidade etc, que enriquecem a vida não somente em cena.
Improvisando: Quiénes son los improvisadores que inspiran a llevar a cabo su trabajo?
Improvisando: Quem são os Improvisadores que o inspiram na realização do seu trabalho?
Panqueque: Uff,  muchos pero creo que Sucesos Argentinos que fue lo primero que vi y me influencio mucho en querer improvisar. Pero creo que la inspiracion mas directa han sido los profes que e tenido especialmente Keith Johnstone, Rodrigo Malbran, Omar Argentino y Shawn Kinley.
Tambien los del Loose Moose en Canada me gustan mucho.
Pero mis favoritos son los de Brasil, Mexico, Espania, Peru, Argentina, Colombia, etc. Tengo demasiados para nombrar ajjajjaja

Panqueque: Aff, muitos, mas creio que Sucessos Argentinos que foi o primeiro que vi e me influenciou muito em querer improvisar. Mas creio que a inspiração mais direta tem sido os professores que tenho tido especialmente Keith Johnstone, Rodrigo Malbran, Omar Argenino e Shawn Kinley. Também os do Loose Moose no Canadá gosto muito. Mas meus favoritos são do Brasil, México, Espanha, Peru, Argentina, Colombia, etc. Tenho muitos para nomear hahaha.

Improvisando: ¿Qué compañias en el mundo de hoy que usted cree que son los trabajos más increíble?

Improvisando: Que companhias no mundo de hoje que você acredita estão realizando os trabalhos mais incríveis?

Panqueque: La empresa de Google parece que es bien buena.
Panqueque: A empresa Google parece estar muito bem.

Improvisando: ¿Qué más ha traído el interés en la improvisación de hoy? Juegos de improvisación o los LongForm?

Improvisando: O mais atrai seu interesse na improvisação de hoje em dia? Jogos de improvisação ou longform?

Panqueque: La impro es la unica forma de arte que se clasifica por duracion jajjajajja
Para mi long form y short form es lo mismo ya sean historias largas o cortas son historias.
Para mi las diferencias en la impro son: los juegos que se usan para sacar risas sin nesesidad de crear algo y las historias o juegos que crean algo (aunque no sea una historia).
Me gustan los espectaculos que crean historias ya sean largas o cortas. Me gusta mucho el long form, pero creo que no es nesesariamente mas poderoso que el short form.
Me gustan mucho los espectaculos de desafios tambien y juegos cortos. Actualmente creo que mi interes mas profundo esta en la narrativa improvisada, y como consecuencia hemos hecho long form, pero cuando hacemos short form tratamos de buscar lo mismo que en uno de long form. Un poco enredada mi respuesta perdon 🙂
Panqueque: A impro é a única forma de arte que se classifica por duração hahaha.
Para mim short ou long form é o mesmo, sejam estórias longas ou curtas são estórias.
Para mim as diferenças na impro são: os jogos que se usam para tirar risos sem necessidade de criar algo e as estórias ou jogos que criam algo (ainda que não seja uma estória).
Gosto dos espetáculos que criam estórias sejam curtas ou longas. Gosto muito do LongForm, mas acredito que não é necessariamente mais poderoso que o ShortForm.Gosto muito dos espetáculos de desafios e jogos curtos também. Atualmente acredito que meu interesse mais profundo está na narrativa improvisada, e como consequencia temos feito longform, mas quando fazemos shortform tentamos buscar o mesmo que em um long form. Meio emaranhada minha resposta, perdão. 🙂
Impriovisando: ¿Cuál es el principio de la improvisación que es ahora más razón para  la investigación?
Improvisando: Qual é o princípio da Improvisação que é agora maior razão para investigação?

Panqueque: Las herramientas sociales  que ensena la impro creo que funcionaria exelente en el sistema de educacion.
Los profesores de los ninos deberian ser expertos en habilidades sociales y trabajo grupal.

Panqueque: A ferramentas sociais que ensinam a Impro creio que funcionariam excelentemente no sistema de educação. Os professores de crianças deveriam ser experts nas habilidades sociais e trabalho de grupo.
Improvisando: ¿Dónde está Impro (el futuro)?
Improvisando: Para onde vai a Impro (o futuro)?
Panqueque: En el planeta Marte, cuando la humanidad se extinga los marcianos encontraran los escritos y comenzaran a entrenar.

Panqueque:  No planeta Marte, quando a humanidade se extinguir, os marcianos encontrarão os escritos e começarão a treinar.
Panqueque em ação no Teatro de Gorilas e no jogo Contra lo Reloj no Programa Los Improvisadores: