Tag Archive: lecoq


Último dia do Festival Internacional Los Improvisadores, no Teatro Oriente, em Santiago. E  cheio. Com 4 eventos no mesmo dia.

Meio dia, começamos com a Charla (bate papo). O convidado foi Rodrigo Malbrán Contre, diretor e fundador da Escuela Internacional del Gesto y la Imagen LA MANCHA.

Malbrán utilizou o espaço para fazer uma mostra de uma hora e meia, dos diversos estágios que passam os alunos durante os dois anos de formação da sua escola, que tem como base a metodologia de Lecoq. Seus graduandos mostraram cenas de utilização de máscara neutra, clown, commedia dell’ arte e por fim o que ele chama de Os Vinte Movimentos.

O trabalho dos alunos é preciso e rigoroso, a construção de cenas primorosa. O trabalho de Malbrán, que muito influenciou a formação dos improvisadores do Colectivo Teatral Mamut, nessa charla, mais do que didático foi umas das melhores possibilidades de entreterimento desse festival.

Seguiu-se às 16 horas a segunda apresentação do espetáculo Teatruras, do Impromadrid da Espanha.

Ignacio Lopez, Ignacio Soriano, Jorge Rueda e o músico Nacho Mastretta novamente fizeram um espetáculo primoroso na construção de estórias, leve, descontraido, ainda mais agradável com a participação das crianças da plateia. Mais sobre Teatruras no post anterior.

O espetáculo com maior sucesso de público do festival, seguiu-se a noite com Súper Escena, do Colectivo Teatral Mamut.

Com Monica Moya, Nico Belmar e Sergio Panqueque Molina, o Colectivo Teatral Mamut mostra a seu público chileno, um espetáculo de improvisação inspirado no cinema.

São propostas três cenas, em três estilos cinematográficos distintos. Os temas são sugeridos pela plateia. Cada uma dessas cenas se inicia e pára num ponto, na qual somente duas delas são eleitas para terem uma continuação. Depois de mais um pouco de desenvolvimento de cada uma das duas estórias, mais uma delas é eliminada, conhecendo o público somente um dos finais.

Espetáculo muito leve, divertido, bem ambientalizado tanto pela luz como pelo seu músico Francisco “Foco”. Os atores têm uma atuação muito forte pela caracterização de seus personagens e pelo seu carisma com o público. Um espetáculo belíssimo.

Fechou-se o festival com uma enorme festa. Teatro de Gorilas. Cada um dos músicos de suas companhias (Francisco “Foco” Cerda-Mamut, Cristiano Meirelles-Jogando no Quintal, Leonardo Prieto-Complot Escena, Nacho Mastretta-Impromadrid e Sebastian Rodrigues-La Gata Impro) e a banda do Teatro de Gorilas, fizeram a trilha sonora e os efeitos sonoros do espetáculo.

Foram 6 os diretores convidados: Ignacio Soriano (do Impromadrid da Espanha), Rodrigo Bello (do Improcrash da Argentina), Carlos Alberto Urrea Lasprilla (do La Gata Impro da Colômbia), Sergio Panqueque Molina (do Colectivo Teatral Mamut do Chile), Marcio Ballas (do Jogando no Quintal do Brasil) e Frank Totino (do Loose Moose do Canadá).

Os jogadores convidados foram:

– Florian Toperngpong e Nadine Antler da Alemanha.

– Charo Lopes, Luciano Barreda, Luciano Cohen, Marcelo Savignone, Omar Argentino Galván e Pau Farias da Argentina.

– Mateus Bianchim do Brasil.

-Monica Moya e Nico Belmar do Chile.

– Daniel Orrantia, Felipe Ortiz, Juan Gabriel Turbay e Mabel Moreno da Colômbia.

-Jorge Rueda da Espanha.

-José Luis Saldaña, Juan Carlos Medellín e Omar Medina do México.

A oportunidade de ver cenas propostas por aqueles que certamente estavam entre os maiores nomes da improvisação mundial, tornaram esse último espetáculo uma torre de babel de atuações, propostas, divertimento em cena e aprendizagem. Destaco, sem querer absolutamente desmerecer ninguém, o encontro antológico de parte do Sucesos Argentinos (Marcelo Savignone e Omar Argentino) que foi das grandes inspirações da improvisação latino americana com a nova geração de talentosos improvisadores argentinos (Improcrash) em cena nesse espetáculo. Memorável e emocionante.

Ao fim do espetáculo, todas as companhias foram merecidamente chamadas ao palco para serem homenageadas e a noite se seguiu com uma grande festa reunindo público, banda e atores num dos eventos mais fantásticos e audaciosos que a Improvisação mundial já assistiu.

Meus parabéns e muito obrigada a todos os amigos chilenos, a produção (meu especial a Andreia e a Loreto), equipe técnica do teatro, aos queridos amigos Monica, Nico, Panqueque e Francisco “Foco” Cerda do Colectivo Teatral Mamut pela hospitalidade, generosidade e iniciativa tão incrível de reunir as grandes companhias e pensadores da Improvisação Mundial da atualidade.

Meus parabéns  e muitíssimo obrigada também a todos os amigos e mestres Frank Totino, Angélica Rogel, José Luis Saldaña, Juan Carlos Medellín, Leonardo Prieto, Omar Medina, Carlos Alberto Urrea Asprilla, Daniel Orrantia, Felipe Ortiz, Juan Gabriel Turbay, Mabel Moreno, Sebastian Rodrigues, Allan Benatti, Cristiano Meirelles, Ernani Sanchez, Marcio Ballas, Marco Gonçalves, Rhena de Faria, Guilherme Tomé, Mario Escobar Olea, Mateus Bianchim, Charo Lopes, Luciano Barreda, Rodrigo Bello, Luciano Cohen, Marcelo Savignone, Omar Argentino GalvánFlorian Toperngpong, Nadine Antler, Ignacio Lopez, Ignacio Soriano e Jorge Rueda, Nacho Mastretta, Suso33. Vocês tornaram essa semana uma grande festa da improvisação mundial, pelas suas capacidades de viver verdadeiramente os conceitos da improvisação por estarem sempre presentes e afirmarem honesta e generosamente a amizade, aumentando e engrandecendo essa enorme corrente da Impro mundial.

Não devo esquecer dos amigos Adonis Camelato (do Olaria GB) e Rafael Protzner (do UMA Companhia) que compartilharam comigo diversão e aprendizagem.

Vimos atuações surpreendentes e impactantes como X- ha Muerto do Complot Escena e  propostas inovadoras como Corten do Impromadrid, que ao final, destacaram-se nesse festival. Mas nos entusiasmamos com o ritmo jovem, talentoso e coeso do Links do Improcrash. Admiramos a habilidade corporal dos colombianos no TellAraña do La Gata Impro. Nos emocionamos com as atuações solo impressionantes dos genios argentinos Omar Argentino Galván e Marcelo Savignone. Chilenos entusiasmados aplaudiram de pé por quase cinco minutos ao final do espetáculo dos nossos mestres brasileiros do Jogando no Quintal com o Caleidoscópio. Casa quase totalmente cheia de espectadores-fãs que ensurdeceram o Teatro Oriente para ver o espetáculo leve, descontraído e conciso com Colectivo Mamut com o Súper Escena.

Mas por fim, o que se destaca são as possibilidades de intercâmbio de conhecimento, discussões, propostas distintas, novas idéias de concepção, formatos, exercícios, teorias,  que foram pipocando aqui e ali entre uma taça de Sauvignon Blanc, uma cerveja Guayacan, um ceviche, uma salada de palta, um sorvete de lucuman, um poema de Pablo Neruda ou uma simples pausa para curtir o sol brando e o vento fresco. A tão inspiradora cidade de Santiago, se tornou cenário para o desenvolvimento dessas idéias que certamente plantaram a semente que desenvolverá, nesse solo fértil de tantos talentos humildemente ainda ávidos por ainda mais conhecimento e exercício da arte, a revolução proposta por essa grande escola e filosofia de vida que é a Improvisação Teatral.

Que esse post seja, mais que uma mera descrição do que foi esse festival, meus sinceros sentimentos a respeito dos oito dias mais emocionantes e edificantes que vivi desde que decidi me aventurar pelo curioso e instigante mundo da Impro.

Muito obrigada improvisadores de todo o mundo.

Anúncios

Florencia Infante  es actriz egresada de la Escuela de Actuacion de Montevideo en el año 2004.  Desde el año 2005 comienza a trabajar intensivamente en la improvisación.

Es fundadora de Improvisacion Teatro Club del Uruguay, grupo que integra desde el 2005, actualmente llamado Impronta.

Ha participado de diferentes festivales internacionales de improvisación.

Es una de las directoras de la EIU, primera Escuela de Improvisacion Uruguay.

Desde el año 2005 integra Improvisación Teatro Club del Uruguay, con el que realiza por 2 años el espectaculo Sopa Instantanea (al estilo de Harold). Luego de esto, el grupo comienza a investigar las tecnicas deportivas, como Match de Improvisación, teniendo la oportunidad de participar en el Mundial de Impro de Buenos Aires 2007. En esa epoca la compañía cambia su nombre a IMPRONTA Teatro.

En el 2007 dirigió IMPROCALYPSIS un formato de foro, con el que la compañía realiza 3 temporadas en Montevideo.

El el 2008 se estrena en Uruguay Match, generando un éxito imposible de imaginar, y el Espectáculo continua hasta finales del 2009.

Actualmente el grupo esta investigando nuevamente en el Long Form, con el nuevo espectaculo, llamado Sinapsis, que se estrenara en junio en Montevideo.

En el 2010, se estrenaran en total 3 espectaculos nuevos de la compañía, de los cuales 2 son bajo su direccion.

Florencia Infante é atriz formada na Escuela de Actuacion de Montevideo em 2004. Desde o ano de 2005 começa a trabalhar intensamente com a Improvisação.

É fundadora do Improvisacion Teatro Club del Uruguay, grupo o qual integra desde 2005, e que atualmente se chama Impronta.

Tem participado de diferentes festivais internacionais de Improvisação.

É uma das diretoras do EIU primeira (Escuela de Improvisacion del Uruguay).

Com o Improvisación Teatro Clube del Uruguay realiza por 2 anos o espetáculo Sopa Instantânea (no estilo Harold). Após, o grupo começa a investigar as técnicas desportivas, como Match de Improvisação, tendo a oportunidade de participar do Mundial de Impro de Buenos Aires em 2007. Nessa época a companhia muda seu nome para Impronta Teatro.

Em 2007 dirigiu Improcalypsis, um formato de fórum, com o qual a companhia realiza e temporadas em Montevideo.

Em 2008 estréia o Match no Uruguai, com um êxito impossível de imaginar e o espetáculo continua até o final de 2009.

Atualmente o grupo está investigando novamente o LongForm, com o novo espetáculo chamado Sinapsis, que estreia em junho em Montevideo.

Em 2010, estreiam um total de 3 espetáculos novos da companhia, dos quais 2 são de sua direção.

1) Improvisando: ¿Qué es para usted la Improvisación Teatral? ¿Cuáles son sus conceptos más importantes?

Improvisando: O que é para você a Improvisação Teatral? Quais são seus conceitos mais importantes?

Florencia: Cuando comencé con la improvisación, simplemente la consideraba una herramienta. Un plus a lo que uno es como actor. Hoy por hoy la improvisación para mi ha pasado a ser un modo de vida. Ademas de formar parte de una compañía que ensaya de lunes a viernes soy  docente de improvisación para niños, adolescentes y adultos, lo cual hace que mi vida este abocada a esta actividad casi al 100%.

Los conceptos mas importantes me parecen los de el trabajo en equipo, la valorizacion del individuo pero como parte de un colectivo, rescatando al ser humano, dentro y fuera del salon de clases; esto me parece que lo hace sano: no debo ser como en la vida que tengo que destacarme SOLO yo para poder obtener un buen trabajo, etc; aca con este concepto creo que se rescata la  conciencia por el otro.

La escucha y la aceptación, que si bien son conceptos basicos de la impro, nunca dejan de sorprenderme. Tengo alumnos que me dicen que dia a dia se sorprenden con el poder de la acepatacion y la escucha. Y lo mejor es que a veces, sin darnos cuenta, empezamos a aplicar estos conceptos en la vida, y los maestros dejamos de ser maestros para ser terapeutas.

Pienso que no hay conceptos únicos y que dia a dia se siguen construyendo más.

Veo al improvisador como alguien que se tira en paracaídas al vacio,  y a la vez, es el propio paracaídas. Es un salto al vacio permanente.

Florencia: Quando comecei com a Improvisação, simplesmente a considerava uma ferramenta. Um ponto positivo para um ator. Hoje Improvisação para mim passou a ser um modo de vida. Além de fazer parte de uma companhia que ensaia de segunda a sexta feira, eu sou docente de Improvisação para crianças, adolescentes e adultos, o qual fazem que a minha vida esteja condenada a essa atividade quase a 100%.

Os conceitos que considero mais importantes são o trabalho em equipe, a valorização do indivíduo mas como parte de um coletivo, resgatando o ser humano, dentro e fora da sala de aula; e acho isso saudável: não devo ser como na vida em que  tenho que me destacar SOZINHO para obter um bom trabalho, etc; aqui esse conceito acredito que recupera a consciência do outro.

A escuta e a aceitação, apesar de serem conceitos básicos da Impro, nunca deixam de me surpreender. Yenho alunos que me dizem que dia a dia se surpreendem com o poder da aceitação e da escuta. E o melhor é que, às vezes, sem nos darmos conta, começamos a aplicar esses conceitos na vida, e os mestres deixamos de ser mestres para ser terapeutas.

Penso que não existam conceitos únicos e que dia a dia se constróem mais.

Vejo o improvisador como alguém que se atira de paraquedas no vazio, e no entanto, é seu próprio paraquedas. É um salto ao vazio permanente.

2) Improvisando: ¿Cuando la improvisación comenzó en su carrera?

Improvisando: Quando a Improvisação começou na sua carreira?

Florencia: Yo hago teatro desde los 14 años, y realmente nunca habia tenido contacto con la improvisación de manera profunda hasta el año 2005 en mi formación como actriz.

Y la verdad, fue una experiencia muy interesante, hacer una carrera en las artes dramaticas, y por el otro lado hacer improvisación todos los dias después de esas clases de tragedia griega o Shakespeare. Era muy raro!

En esos tiempos creo que fue cuando mi cabeza exploto, ya que realemente empezamos a trabajar con el grupo en improvisación pero integrando las otras areas. Y ese trabajo fue muy rico. A la inversa no suele suceder.

Desde ese momento hasta ahora ha sido el motor de mi carrera, incluso la docente, ya que creo que todos los seres humanos deberian poder probar el poder liberador y sanador de la improvisación; el abanico infinito de posibilidades que brinda.

Creo que los actores que hacemos esto de forma profesional somos unos verdaderos afortunados…

Florencia: Faço teatro desde os 14 anos, e realmente nunca havia tido contato com a improvisação de maneira profunda desde o ano de 2005 em minha formação como atriz.

E realmente foi uma experiência muito interessante fazer uma carreira nas artes dramáticas, e por outro lado fazer improvisação todos os dias depois de todas essas aulas de tragédia grega ou Shakespeare. Era muito estranho!

Naquela época eu acho que foi quando minha cabeça explodiu, já que realmente começamos a trabalhar com o grupo em improvisação, mas integrando as outras áreas. E esse trabalho foi muito rico. Por outro lado raramente acontece.

Desde então até agora tem sido o motor da minha carreira, inclusive a docência, ja que acredito que todos os seres humanos deveria poder provar o poder libertador e curador da improvisação; a infinita gama de possibilidades que proporciona.

Creio que nós atores que fazemos fazemos isso de forma profissional somos uns verdadeiros afortunados…

3) Improvisando:  Su espectáculo más conoscido (Sinapsis) se basa en Harold. ¿Quién vio me dijo que el espectáculo tiene un lenguaje muy poético y la inspiración en la contacto-improvisación. ¿De dónde surgio la elección del formato? Es una peculiaridad del grupo El Teatro Físico?

Improvisando: Seu espetáculo mas conhecido (Sinapsis) se baseia em Harold. Quem vio me disse que o espetáculo tem uma linguagem muito poética e inspirada no contato-improvisação. De onde surgiu a escolha do formato? É uma peculiaridade do seu grupo o teatro físico?

Florencia: Sinapsis es fruto de una investigación grupal que aun esta en permanente cambio. Veniamos de largas temporadas de improvisaciones deportivas, y queriamos enfrentarnos a algo mas poetico, a poner el cuerpo y no solo la palabra en la escena.

Asi fue que bajo la direccion de Danna Liberman, empezamos a investigar sobre lo sonoro, lo espacial… pasabamos horas con instrumentos o con mascaras, sin saber bien que era lo que iba a suceder. Fue un espectaculo muy cuidado. Hoy por hoy seguimos trabajando en el.

Creo que todos los grupos reflejan un proceso de lo que sea, en sus espectáculos; y Sinapsis es sin duda, una suma de necesidades de un colectivo.

Buscamos sin ser pretenciosos, la verdad, la escucha, el cuerpo presente, seguir los verdaderos impulsos, tener sonoridad como grupo.. la verdad es un trabajo riquisimo. No pretendemos que eso se vea, que seamos maravillosos, pero si buscamos ser fieles a este momento y entregarnos al cien porciento a este nuevo viaje.

La eleccion del formato creo que fue lo unico poco estudiado. Habiamos empezado nuestra carrera como improvisadores con ese estilo, y como era todo un volver al origen, rapidamente surgio esa opcion.

Si bien el teatro fisico no es una peculiaridad del grupo, si lo trabajamos con rigor y seguimos mucho al teatro de Lecoq.

Florencia: Sinapsis é fruto de uma investigação do grupo que ainda está em permanente mudança. Vínhamos de longas temporadas de improvisações desportivas e queríamos enfrentar algo mais poético, a por o corpo e não somente a palavea no palco.

Foi assim que, sob a direção de Danna Liberman, começamos a investigar o sonoro, o espacial… passávamos horas com  instrumentos ou com máscaras, sem saber bem que era que ia acontecer. Foi um espetáculo muito cuidado. Hoje ainda trabalhando nele.

Acredito que todos os grupos refletam um processo do que é, em seus espetáculos; e Sinapsis é, sem dúvida, uma soma de necessidades de um coletivo.

Buscamos sem ser pretenciosos, a verdade, a escuta, o corpo presente, seguir os verdadeiros impulsos, ter a sonoridade como grupo… a verdade é um trabalho riquíssimo. Não pretendemos que isso se veja, que sejamos maravilhosos, mas sim buscamos ser fiéis a esse momento e nos entregamos em cem por cento a essa nova viagem.

A escolha do formato acredito que foi o único pouco estudado. Havíamos começado nossa carreira como improvisadores com esse estilo, e como era toda uma volta à origem, rapidamente surgiu essa opção.

Apesar do teatro físico não ser uma peculiaridade do grupo, trabalhamos com rigor e seguimos muito o teatro Lecoq.


4) Improvisando: ¿Cómo esta la improvisación en el Uruguay?

Improvisando: Como está a Improvisação no Uruguai?

Florencia: Es sin lugar a dudas un fenomeno. Es un movimiento que esta surgiendo muy fuerte, y nosotros tenemos una responsabilidad muy grande porque somos pocos lo que improvisamos aca .

El ideal para mi seria que en un furturo no muy lejano, la red de personas que estan en esto, fuera mucho mas grande, para poder tambien, generar cosas mas grandes, como festivales o mundiales.

Tambien hay que entrenar a la gente. Aquí el publico era muy tradicional, pero desde hace un tiempo, esta recibiendo muy bien las nuevas propuestas teatrales, entre ellas, la impro.

Creo que va muy bien.

Espero que ponto aparezcan mas compañias para retroalimentarnos!

Florencia: É sem dúvida um fenômenos. É um movimento que está surgindo muito forte, e nós temos uma responsabilidade muito grande porque somos poucos que improvisamos aqui.

O ideal para mim seria que em um futuro muito distante, a rede de pessoas que estão nisso, se torne muito maior, para poder também gerar coisas maiores, como festivais ou mundiais.

Também tem que treinar as pessoas. Aqui o público era muito tradicional, mas faz um tempo que tem recebido muito bem as novas propostas teatrais, entre elas, a impro.

Acredito que vá muito bem.

Espero que rapidamente apareçam mais companhias para retroalimentarmos!

5) Improvisando: ¿Quiénes son los Improvisadores que inspiran usted a llevar a cabo su trabajo?

Improvisando: Quem são os improvisadores que a inspiram na realização de seu trabalho?

Florencia: Por suerte desde que comenzamos esta aventura tuvimos grandes maestros.

El grupo en si mismo se basa mucho en Lecoq, lo leemos mucho y nos identificamos con el concepto de individuo autonomo creador; ser un colectivo de artistas completos y cada uno diferente del otro.

En lo personal seria difícil nombrar a un solo improvisador, porque por suerte estamos rodeados de grandes genios que todo el tiempo nos enriquecen con sus trabajos.

Marcio Ballas es un pilar importantisimo en mi vida, como amigo y como gran profesional que es. Ya que nombre a Brasil, no puedo dejar de nombrar a César Gouvêa, al que admiro profundamente.

Pero las compañias de Colombia, Acción Impro; de Mexico, Complot Escena, Jogando no Quintal de Brasil; Mamut de Chile,  siempre estan inspirando a que uno quiera hacer lo que ellos hacen.

Florencia: Por sorte, desde que começamos essa aventura tivemos grandes mestres.

O grupo em sim mesmo se baseia muito em Lecoq, lemos muito e nos identificamos com o conceito do indivíduo criador autônomo; ser um coletivo de artistas completos e cada um diferente do outro.

Pessoalmente seria difícil nomear somente um improvisador, porque por sorte estamos rodeados de grandes gênios que todo o tempo nos enriquecem com seus trabalhos.

Marcio Ballas é um pilar importantíssimo em minha vida, como amigo e grande profissional que é. Já que falei de Brasil, não posso deixar de nomear César Gouvêa, que admiro profundamente.

Mas as companhias da Colômbia, Acción Impro; do México, Complot Escena; Jogando no Quintal do Brasil; Mamut do Chile, sempre estão inspirando a que alguém queira fazer o que eles fazem.

6) Improvisando: ¿Qué más ha traído su interés en la improvisación de hoy? Juegos de improvisación o los LongForm?

Improvisando: O quem mais tem atraído seu interesse na improvisação de hoje? Jogos de improvisação ou longform?

Florencia: Los dos formatos son iguales de ricos e interesantes. En este momento, por ejemplo, se da que estamos en simultaneo investigando las dos a fondo.

Con el long form, me permito mas la busqueda de la verdad, de la honestidad como actriz. Lo encuentro hasta mas poetico si se quiere,mas curativo, mas mio,  aunque hagamos comedia. Es como la sensación de construir una pintura entre todos, en una hora de espectaculo.

Con el sport es diferente, porque si bien uno lo entrena la velocidad y plasticidad que requiere,  es en otro carril de ritmo. Estas mas exigido y jugando mas al limite. Siempre con alegria. Pero mas al limite. O al menos yo juego asi, jajaja, realmente lo vivo como la palabra lo indica: deportivo.

Florencia: Os formatos são igualmente ricos e interessantes. Nesse momento, por exemplo, estamos investigando simultaneamente os dois a fundo.

Com o longform, me permito mais a busca da verdade, da honestidade como atriz. Encontro algo mais poético se quero, mais curativo, mais meu, ainda que façamos comédia. É como a sensação de construir uma pintura, entre todos, na hora do espetáculo.

Com o esporte é diferente, porque enquanto ele treina a velocidade e a plasticidade que exige, está em outra pista de ritmo. Está mais exigido e jogando mais ao limite. Sempre com alegria. Mas no limite. Ao menos eu jogo assim, hahaha, realmente vivo como a palavra o indica: desportivo.

7) Improvisando: ¿Cuál es el principio de la improvisación que ahora más se está estudiando e investigando?

Improvisando: Qual é o princípio da improvisação que agora mais está se estudando e investigando?

Florencia: La verdad en escena.

Shawn Kinley nos hablo de eso, y la verdad hizo un click importante.

Florencia: A verdade em cena.

Shawn Kinley nos falou disso, e realmente foi um click importante.

8) Improvisando: ¿Dónde estará el impro? (el futuro)?

Improvisando: Para onde vai a Impro? (o futuro)

Florencia: Yo creo que esto es como una bola de nieve que crece y crece. En Uruguay nosotros fuimos los primeros en hacer esto y nadie entendia nada, nadie creia que era improvisación, fue muy loco. Ahora aca hay mucha gente interesada en esto. Incluso en Abril comenzamos con la EIU, que es la primera escuela de improvisación del uruguay, la cual dirijo con Danna Liberman y Enrico Greco.

A nivel mundial tambien es impresionante, es un fenomeno. Puedo nombrar el caso de los Barbixas, que por medio de Internet llegaron al mundo entero, todos los que hacemos impro sabemos quienes son.

La verdad, antes en el inicio todo era el caos, pero del caos sale la creación. Y creo que ahora estamos en la generacion que va a introducir, al menos en mi pais, otra forma de hacer teatro. Bien distinta, pero igual de poderosa.

Florencia: Acredito que isso é como uma bola de neve que cresce e cresce. No Uruguai nós fomos os primeiros a fazer isso e ninguém entendia nada, ninguém acreditava que era improvisação, foi muito louco. Agora aqui tem muita gente interessada nisso. Aliás em Abril começamos com a EIU, que é a primeira escola de improvisação do Uruguai, a qual dirijo com Danna Liberman e Enrico Greco.

A nível mundial, também é impressionante, é um fenômeno.Posso nomear o caso dos Barbixas, que por meio da Internet chegaram ao mundo inteiro, todos os que fazemos impro sabemos quem são.

A verdade, antes no início todos era o caos, mas do caos sai a criação. E acredito que agora estamos na geração que vai introduzir, ao menos em meu país, outra forma de fazer teatro. Bem diferente, mas igualmente poderosa.

Com mucho gusto, soy grata a Florencia por su amabilidad en participar de ese blog e la felicito por su nuevo espectaculo Imprevisto e su recien nominación al premio Florencio como actriz de reparto por la obra “Romeo y Julieta Mutantes”. Sigue el video de Florencia en release de “Imprevisto“.

Muito feliz, sou grata a Florencia por sua gentileza em participar desse blog e a cumprimento por seu novo espetáculo Imprevisto e sua recém nominação ao prêmio Florencio como atriz coadjuvante pela obra “Romeu e Julieta Mutantes”. Segue o vídeo de Florencia no release de “Imprevisto.